Sonia Anubis fala sobre Crypta, Cobra Spell e suas influências

Sonia “Anubis” Nusselder, guitarrista das bandas Crypta e Cobra Spell deu uma entrevista a Chris Correia do canal português Underground’s Voice nesta sexta-feira (28/05) na qual fala sobre a banda Crypta, sobre o álbum Echos of the Soul e o método de composição das músicas, sobre a banda Cobra Spell e suas influências musicais.

Ela começa falando sobra sua história na música dizendo que sua interação com a música surgiu quando tinha quatorze anos de idade quando descobriu bandas de Hard Rock e o estilo de música mais pesada e passou a ser muito influenciada pelo KISS e a fez pensar “É tão incrível que também tenho que tocar baixo”. Ela conta que ganhou um baixo de presente de aniversário e começou a aprender todas as músicas do KISS e, mais tarde, começou a descobrir diferentes bandas, como Alice Cooper e W.A.S.P. e foi ficando mais e mais pesado até descobrir a existência do Thrash Metal com as o Megadeth e Anthrax. Depois passou a descobrir o Black e o Death Metal e todo um novo mundo de Metal que ela desconhecia.

A partir daí ela diz: “Fiquei totalmente obcecada e comecei a leva o baixo muito mais a sério ao juntar-me a bandas locais de Death Metal nos Países Baixos, tendo em conta que costuma ser o principal gênero que eu toco enquanto musicista. Mais tarde, também comecei a levar a guitarra muito mais a sério e era muito influenciada pelo Marty Friedman, do Megadeth.” A partir daí ela focou cada vez mais na guitarra o que acabou levando-a a se juntar à Burning Wicthes.

Quando Chris pergunta como ela se juntou à Crypta, já que ela é a única não brasileira da banda, ela respondeu que já conhecia Fernanda Lyra e Luana Dametto antes da Crypta começar. “Nos conhecemos em um concerto que tocamos juntas na Suíça. Burning Witches e Nervosa tocaram juntas lá e foi lá que nos vimos e nos conhecemos. Vimos os shows de cada uma e eu estava sempre olhando para a energia da Fernanda.” Ela disse ainda que foi uma grande honra ter recebido o convite delas, porque queriam começar um projeto de Death Metal comigo. Além disso, ela também estava à procura de algo mais extremo já que tocava apenas Heavy Metal com Burning Witches.

Ela explica que começarama um ano antes do anúncio da nova banda porque queriam faze-lo de forma discreta e sem pressão para que pudessem fazer tudo no seu próprio ritmo. “Mesmo estando longe, conseguimos nos comunicar muito facilmente, compreendemos o que cada uma de nós pretende e estamos sempre mutito dedicadas para atingir o que queremos. Portanto, o início foi muito bom e agora estou muito content com a forma como a coisa está andando.

Quando Chris perguntou se podemos esperar o clima dos dois primeiros singles – “From the Ashes” e “Starvation” – para o resto o álbum “Echoes of the Soul” e o como ela o define, Sonia respondeu: “O ‘Echoes of the Soul’ é um álbum que mistura muitos estilos diferentes do Death Metal porque, na banda, temos um gosto musical bastante variado. Mesmo fora do Death Metal temos muitas influências extremas. No ‘Echoes of the Soul’ há músicas que se encaixam mais no Black/Death Metal, ou até Death Metal polaco, Brutal Death Metal. Podia dar uma lista completa com difeentes estilos que estão presentes, mas há vários. “É uma combinação híbrida do que gostamos e, às vezes, é mais melódico, outras vezes é mais rítmico.” Ela diz ainda que “é feito com sentimento, amor pela música e tempo.”

Sobre o método de composição do álbum, ela contou que metade foi feito durante este período de pandemia e tudo foi feito à distância e que todas, exceto a Tainá, que chegou depois, colaboraram na escrita das músicas. O processo utilizado foi Fernanda e Luana enviando suas ideias através de gravações de voz ou demos caseiras para Sonia que gravava no estúdio caseiro e colocava no Google Drive. E assim foi até que as ideias se tornassem músicas propriamente ditas. Este processo levou aproximadamente um ano e meio.

Sobre a grande reação dos fãs desde o início da divulgação da formação da banda, ela declarou: “Foi uma enorme surpresa. Claro que sabemos que a Fernanda e a Luana t~em uma enorme base de fãs e sabia que haveria muitas pessoas ouvindo, mas não imaginava que fosse tanta gente. Ainda nem tínhamos lançado “From the Ashes” nem “Starvation” e as pessoas já estavam fazendo tatuagens e criando seu próprio merchandise e nós pensamos: ‘Wow, ainda nem sequer lançamos músicas!'”

Também falaram sobre a banda Cobra Spell, ela conta que é uma banda de Heavy Metal/Heavy Rock influenciado pelos anos de 1980, super diferente da Crypta. Ela confessa que tem “um enorme e estranha paixão com os anos 80, sejam filmes, carros… Muitas coisas.” Além de bandas, claro! E a banda serve para honrar este estilo. Seu namorado também faz parte da banda. Ela contou que a ideia partiu de “empurrão” de Alice Cooper. Isso aconteceu quando o conheceram no backstage. Alice trabalha com sua esposa há anos e isso a inspirou. Apesar da Sonia e seu namorado serem músicos, não sabiam se era ou não uma boa ideia trabalharem juntos. Mas, Alice disse a eles “Vocês têm que criar uma banda” e foi assim que a banda começou. Ela conta que já tem alguma coisa nova escrita e que acredita que até o final de 2021 ou início de 2022 terão um álbum lançado.

Veja abaixo a entrevista completa

\m/ Long Live Rock! \m/

Tags , , , , , , , , , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Deixe uma resposta