Novo filme dos Beatles visa “quebrar o mito” das sessões de Let It Be

Peter Jackson será responsável por um novo projeto sobre o álbum “Let It Be”, dos Beatles. Em formato de documentário, a produção será baseada em cerca de 55 horas de imagens nunca vistas pelo público geral e 140 horas de áudios das gravações do lendário disco.

Filmadas entre 2 e 31 de janeiro de 1969, as gravações originalmente seriam para um especial televisivo, mas acabou resultando na famosa apresentação no telhado da Apple, que completa 50 anos nesta quarta-feira. O álbum, vencedor de um Grammy, e o filme original, dirigido por Michael Lindsay-Hogg, foram lançados em 1970, vários meses após a separação do grupo.

“As 55 horas de imagens inéditas e as 140 horas de áudio disponibilizadas para nós garantem que este filme será uma experiência única que os fãs dos Beatles há muito tempo sonham” afirmou Jackson em um comunicado oficial. “É como uma máquina do tempo que nos transporta para 1969, onde nos sentamos no estúdio vendo esses quatro amigos fazer música boa juntos”, completou.

O documentário deverá mostrar os momentos de desavença vividos antes do rompimento da banda, mas o diretor garante que não se resumirá a isso. “Claro, há momentos de drama – mas nenhuma das discórdias com as quais esse projeto está associado há muito tempo. Assistir John, Paul, George e Ringo trabalhando juntos, criando músicas clássicas a partir do zero, não é apenas fascinante – é engraçado, edificante e surpreendentemente íntimo”, revelou Jackson.

Jeff Jones da Apple Records disse: “Criamos um novo filme que tentará quebrar o mito de que as sessões Let It Be foram o prego final no caixão dos Beatles.” Disse ainda que, devido à percepção de que o filme de 1970 era um olhar deprimente para os Beatles se separarem, Jackson foi levado para limpar digitalmente imagens antigas, removendo o que o repórter Jem Aswad descreveu como a “atmosfera sombria e sombria” de o original.

Ainda sem título definido, o filme irá contar com a colaboração de Paul McCartney, Ringo Starr, Yoko Ono, em nome de John Lennon, e a viúva de George Harrison, Olivia Harrison. De acordo com informações da revista Variety, ainda não há uma data de estreia definida para o lançamento do documentário. No entanto, fontes dizem que é provável que a estreia ocorra em 2020, para celebrar o 50º aniversário do álbum e filme de “Let It Be”.

\m/ Long Live Rock! \m/

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Deixe uma resposta