Barão Vermelho ressurge com novo vocalista e documentário

Ao longo dos 35 anos de carreira, completados em outubro passado, o Barão Vermelho teve várias mudanças em sua formação, com idas e vindas dos integrantes. Ainda assim, ser desfalcado do frontman e conseguir se reinventar não é para fracos. E isso já tinha acontecido antes, em 1986, quando Cazuza deixou o grupo para seguir com sua carreira solo pouco antes do lançamento do quarto álbum da banda “Declare Guerra”.

Frejat deixou o Barão no final do ano passado também para seguir com sua carreira solo. Disse ele: “Existe uma diferença de ideias, mas não estamos brigados nem nada disso. Você vai ver a gente se encontrar socialmente. É só alegria e abraços”. Eu fui a voz discordante e deixei-os à vontade para que, se quisessem seguir, que seguissem sem mim. No fim do ano é que chegaram à decisão”, explica.

Da formação original do Barão Vermelho restaram o baterista, Guto Goffi, e o tecladista, Maurício Barros. Foram os dois que, após assistir ao show do Queen em São Paulo, em 1981, decidiram o que queriam da vida e arregimentaram a banda. Em dezembro de 2016, após aprovação unânime, Barros convidou o líder da banda Suricato para ocupar o posto deixado por Frejat. “Foi uma surpresa e uma honra do tamanho dum bonde”, Rodrigo Suricato declara. “Tenho muito respeito pelo DNA do Barão, mas acho que vou trazer coisas diferentes também. Sou muito conhecido como guitarrista, mas no Suricato quase que só toco violão. No Barão vai rolar um espaço para a guitarra que eu não tenho no meu próprio trabalho.” Enquanto a nova turnê da banda veterana está prevista para começar em maio, o Suricato segue a todo vapor. Prepara um EP para ser lançado antes de sua apresentação no Lollapalooza e vai entrar em estúdio para a gravação do terceiro álbum. A conciliação dos dois projetos não preocupa Rodrigo. “Se organizar direitinho, todo mundo transa”, ele brinca, usando um jargão dos blocos de Carnaval do Rio de Janeiro.

Além de estar de cara nova, ainda terá o documentário intitulado ‘Por Que a Gente É Assim?”, dirigido por Mini Kerti, que é um longa-metragem que conta toda a história do Barão Vermelho e será exibido no Canal Curta. “Eles queriam que toda a trajetória fosse contada”, diz a diretora. “A melhor maneira foi com entrevistas. Acompanhei viagens de ônibus pela turnê de 2012 e também coloquei a formação original no estúdio da Som Livre.” São quase duas horas repletas de imagens de arquivo e histórias engraçadas e comoventes. “Foi um desafio condensar 35 anos”, Frejat comenta. “Tanto para quem nunca viu o Barão Vermelho quanto para quem conhece, mas não sabe bem como rolavam as coisas dentro da banda, o documentário é muito relevante. Nele, dá para perceber as diferenças de temperamento de cada um. E acontece em um momento marcante dessa trajetória.”

Com o grupo no camarim fazendo um som, e o saudoso Peninha fazendo graça, Por Que a Gente É Assim? termina em aberto. Não poderia ser de outra forma. “Inclusive Cazuza volta no filme, com imagens dele quase até o fim”, Mini Kerti comenta. “Cada um tem seu rumo, mas todos os integrantes têm uma ligação que não tem como terminar. O Barão Vermelho sempre vai tocar as músicas de Frejat e Cazuza. E Frejat vai tocar as músicas do Barão. Isso não tem fim.”

\m/ Long Live Rock! \m/

Be Sociable, Share!

Tags , , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*