Jimmy and Rats lançam o álbum ‘Só há um caminho a seguir’

Não demorou muito para que, após o anúncio do fim do Matanza, em 2018, Jimmy London encontrasse um novo lar. Cantor, apresentador do Multishow, ator de séries como “Cidade Invisível” e figura icônica do Rock brasileiro, Jimmy se uniu ao Rats, grupo de Rock carioca com raízes irlandesas, folk e country, para dar início a um novo projeto, batizado de Jimmy & Rats.

Após um crowdfunding bem sucedido, Jimmy prepara junto aos marujos Fernando Oliveira (banjo e bandolim), Kito Vilela (guitarra e voz), Gajo Loko (acordeão e tin whistle), Bruno Pavio (baixo) e Pedro Faucom (bateria) o lançamento do seu primeiro álbum: “Só há um caminho a seguir”. O disco ficará disponível nas plataformas digitais a partir de 26 de março, via Olga Music, em parceria com a ADA, uma das maiores distribuidoras digitais do mundo, através do link: https://lnk.to/sohaumcaminho.

Com 14 faixas, o disco nos leva do alto mar aos saloons do Velho Oeste, com motores a mil e também enferrujados, uma aventura permeada por muitas questões sociais, homenagens e, claro, gritos da tripulação a todo pulmão, como no single e faixa de abertura “Pra nunca se entregar”. O refrão “Persistência, desobediência, sangue nos olhos, sede de vitória” entoa um início de disco recheado de punk rock e um marcante banjo.
“Nunca tive tantos instrumentos, tantas armas a disposição para poder fazer a revolução. O resultado é essa bagunça violenta de várias vozes cantando nossas jornadas para encontrar nosso público” Jimmy London.

E a embarcação segue sua jornada com “Anne Bonny”, uma homenagem à conhecida pirata irlandesa, que fez o Caribe tremer no século XVIII, em uma canção rápida e direta. Assim como “Mesmo sem crime algum”, na qual o marujo Fernando canta aos injustiçados, com um timbre vocal que transmite a sensação de não estarmos sozinhos na luta de todos os dias.
E em plena tempestade, a tripulação encontra seu grande inimigo, o opressor em sua embarcação sombria e arrogante, mas Jimmy & Rats entoam seus cantos em “Legião dos Renegados”, preparados para um duelo histórico. Canhões carregados e espingardas em punho. Ninguém irá fazer a viagem parar na metade. Após a vitória da legião, reparando suas perdas de batalha, Jimmy grita “Serei curto e direto dessa vez, essa é pra vocês”, em “Quem faz”, um hardcore desabafo.
O capitão repara que alguém não está trazendo muita sorte para seus desafios mais simples. Achem o “Baltazar”! Ele precisa ficar pelo caminho. Abra a prancha e tire esse mau olhado da nossa equipe!
O mar pode ser solitário e fazer as cicatrizes arderem mais que o normal. “Último passo” é uma homenagem a quem se foi e deixou os corações partidos. Encham os copos, a vida não é feita só de boas notícias.
Enfim chega a hora da nau ancorar, encontrar o primeiro saloon aberto e tomar cerveja entre amigos. “Posso, devo e quero” é para ser cantada abraçado aos seus, que é exatamente o que nossos marujos fazem até a casa fechar suas portas. Paga conta e vamos nessa!
Voltando ao navio encontram um “gringo” no caminho, nervoso e agitado, todo de preto. Entra em cena “M.O.T.O.R.H.E.A.D.”, uma música autoapresentada. Após uma pequena confusão de línguas, o grupo segue seu rumo, e dá uma puxada de orelha em seu marinheiro malandro, em uma das frases mais marcantes da viagem: “Integridade nunca foi opcional”, uma das tantas fortes de “Papo firme”. Tripulação no barco, voltemos ao alto mar!
Perdeu-se muito tempo em terra, “Sai da minha frente”. Ufa, a nau está inteira e todos a bordo. O Capitão decide contar duas histórias para todos, em uma humilde ajuda buscando passar o tempo de todos. “A idade da razão” fala sobre sorte e “O carinho certo da pessoa errada” é um clássico entre todos, afinal, quem nunca sofreu uma desilusão amorosa? “Marujos, o que aconteceu?”, e as histórias são interrompidas pelo motor parando.
Por fim, estamos “À deriva”, um bom momento para refletir, mas também para preparar novas aventuras e desafios. O mundo contará as histórias da tripulação Jimmy & Rats por séculos, certo de que este primeiro capítulo da história é apenas o começo das lendas.

Faixas:
01 – Pra nunca se entregar (Jimmy London, Fernando Oliveira e Kito Vilela)
02 – Anne Bonny (Jimmy London, Fernando Oliveira e Kito Vilela)
03 – Mesmo sem crime Algum (Fernando Oliveira)
04 – Legião dos renegados (Jimmy London, Fernando Oliveira e Kito Vilela)
05 – Quem faz (Jimmy London, Fernando Oliveira e Kito Vilela)
06 – Baltazar (Jimmy London, Fernando Oliveira e Bruno Pavio)
07 – Último passo (Jimmy London, Fernando Oliveira e Kito Vilela)
08 – Posso, devo e quero (Jimmy London, Fernando Oliveira e Kito Vilela)
09 – M.O.T.O.R.H.E.A.D. (Fernando Oliveira)
10 – Papo firme (Jimmy London, Fernando Oliveira e Kito Vilela)
11 – Sai da minha frente (Jimmy London, Fernando Oliveira e Bruno Pavio)
12 – A Idade da razão (Jimmy London e Fernando Oliveira)
13 – O carinho certo da pessoa errada (Jimmy London e Fernando Oliveira)
14 – À deriva (Gajo Loko e Fernando Oliveira)

Line-up
Jimmy London (Voz)
Fernando Oliveira (Banjo, Bandolim, Guitarra, Guipárra, Gaita, Violão, Resonator, trompete e Voz)
Kito Vilela (Guitarra, Violão e Voz)
Bruno Pavio (Baixo Elétrico e Baixo Acústico)
Gajo Loko (Acordeão, Piano, Órgão, Tuba e Tin Whistle)
Pedro Faucom Richaid (Bateria)

Participações especiais:
Dennis Sieber (Backing Vocals)
Inferno de Lucas (Backing Vocals)
Allyson Campos (Violino)

O álbum “Jimmy & Rats – Só Há um Caminho a Seguir” foi gravado, mixado e masterizado entre janeiro de 2020 e fevereiro de 2021 na cidade do Rio de Janeiro-RJ, Brasil.

\m/ Long Live Rock! \m/

Tags , , , , , , , , , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Deixe uma resposta