Em entrevista, Eleni Nota fala sobre sua história, projetos e expectativas na Nervosa

A nova baterista da Nervosa, a grega Eleni Nota, deu uma entrevista recentemente à Revista Freak na qual conta um pouco da sua história, dos seus projetos e da expectativa de ser a nova baterista de uma das maiores revelações do Thrash Metal mundial atual.

Um dos maiores nomes do thrash Metal brasileiro, a Nervosa, surpreendeu recentemente todos os fãs com a notícia de mudanças na formação. A banda vive o seu melhor momento na sua carreira e a notícia da saída da baixista/vocalista Fernanda Lira e da baterista Luana Dametto, pegou todos de surpresa. Seria o fim da Nervosa? Não demorou muito, e a guitarrista Prika Amaral respondeu apresentando uma nova formação de peso com Diva Satanica (Bloodhunter) no vocal, Mia Wallace (Abbath, Hellhammer) no baixo e Eleni Nota (Mask of Prospero, Croque Madame) na bateria, tornando a banda um quarteto pela primeira vez.

Segue a entrevista na íntegra:

Quem é Eleni Nota? Você poderia nos contar um pouco da sua história e como começou sua paixão pela bateria?

Bem, eu não venho de uma família musical, então não estava familiarizado com bateria até que, aos 10 anos de idade, o irmão do meu melhor amigo me apresentou ao Slipknot. Eu instantaneamente me apaixonei pela bateria e Joey Jordison e, aos 13 anos, comecei a tocar bateria. Enquanto eu estava no ensino médio, formei uma banda de Rock indie com alguns amigos e fizemos muitos shows em Rhodes, nossa cidade natal. Com 18 anos, mudei-me para Atenas para estudar matemática na universidade e bateria na escola de música “LAB Music Education”. Alguns anos depois, decidi abandonar a universidade para me concentrar apenas na bateria e na música. Desde então, tenho trabalhado como baterista profissional fazendo shows por toda a Grécia e Europa.

Quais são as suas maiores influências?

Minha maior influência é Joey Jordison (ex-Slipknot). Ele é o motivo pelo qual eu comecei a tocar e, conforme fui crescendo, usei sua técnica e gosto para gradualmente formar meu próprio estilo de bateria. Algumas de minhas outras influências são Daniel Erlandsson (Arch Enemy), Luke Holland (Jason Richardson), Anup Sastry (Monumentos) e Jukka Nevalainen (Nightwish).

Você é da Grécia, como é a cena do Rock em seu país?

A Grécia tem uma enorme cena de Metal, com os gêneros mais dominantes sendo Thrash, Death, Black e Power Metal. Há shows de Metal toda semana e, às vezes, são agendados ao mesmo tempo e você não pode escolher para onde ir! A Grécia tem dado origem a algumas das melhores bandas de Rock e Metal do mundo, como Septic Flesh, Rotting Christ, Suicidal Angels, Villagers of Ioannina City, Planet of Zeus e Firewind. A única desvantagem é que, devido à fraca economia e à falta de apoio financeiro do governo, muitas bandas talentosas não conseguem se manter porque não têm as mesmas oportunidades que podem ser encontradas em outros países europeus. Se você estiver interessado em explorar mais a cena grega, você pode ouvir Mother of Millions, Poem, Need, Enemy of Reality, Silent Wedding and Exarsis!

Agora você é a nova baterista da Nervosa, uma das maiores bandas do Brasil, como aconteceu o convite para ingressar na banda?

Eu nunca vou esquecer aquele dia! A Grécia estava totalmente trancada por um mês, devido ao isolamento, eu estava me sentindo desmotivada e infeliz. Eu estava de muito mau humor quando recebi uma mensagem da Prika Amaral me perguntando se eu estava interessada em fazer uma audição para a Nervosa. Meu humor mudou completamente em segundos e eu corri para o quarto da minha amiga gritando de alegria. Eu fiz o teste alguns dias depois e, após um tempo, Prika me disse que eu era a nova baterista da Nervosa!

Qual a sua expectativa em tocar com a banda?

O que eu tenho certeza é que a Prika, Diva e Mia são três mulheres incríveis e maravilhosas musicalmente, então estou esperando um quarteto poderoso que crie uma música dinâmica e feroz! Mal posso esperar para conhecê-las pessoalmente e me apresentar ao lado delas!

Com esta pandemia do COVID-19, o que a banda planeja fazer para acalmar a curiosidade dos fãs, que realmente querem ver a nova Nervosa?

O Covid-19 dificultou praticamente tudo, especialmente as artes. Inevitavelmente, levará algum tempo para viajarmos e nos encontrarmos pessoalmente. Por enquanto, estamos gastando nosso tempo escrevendo músicas para ter bastante material novo quando chegar a hora dos ensaios.

Como você imagina que será o primeiro show com a Nervosa?

Estou tentando imaginar isso quase todos os dias para ser honesta! Será poderoso, barulhento, cruel e mágico!

O que podemos esperar da nova Nervosa?

Considerando o quão talentosas minhas três colegas de banda são, posso prometer a você uma Nervosa renovada, extremamente forte e alto, com vocais ferozes, guitarras magistrais, baixo de tremer a terra e eu tocando a bateria como se minha vida dependesse disso!

Você tem outras bandas ou projetos?

Sim, eu tenho tocado com a banda progressiva de Metal Mask of Prospero nos últimos 4 anos. Lançamos nosso álbum de estreia há 2 anos e atualmente estamos gravando nosso segundo. Além disso, sou baterista da banda de deathcore ‘Meet the Maker’ e tenho um canal no YouTube com covers de bateria e vídeos dos meus shows. Mas minha prioridade número um é e será a Nervosa!

Que tipo de equipamento você usa? Qual é a sua configuração?

Atualmente, estou tocando com um kit de bateria Tama Silverstar que inclui dois rack toms (10 “e 12”) e um floor tom (14 “). Minhas caixas (13” e 10 “) são da MCHDrums, uma maravilhosa empresa grega com produtos artesanais. Uso a caixa de 13 “como minha principal e a caixa de 10” geralmente como uma caixa lateral. Todos os meus pratos são Meinl. Eu uso 15 “Pure Alloy Hi-Hats, 22″ Pure Alloy Ride, 18 ” Byzance Trash Crash, 20 “Byzance Extra-Thin Hammered Crash, uma 18″ Classics Custom Trash China, um splash de 10″ da Byzance e 14” Stack. Finalmente, uso pedal duplo Pearl Direct Demon Drive, Evans heads, microfones Roland Octapad e Soundhoops.

De quais marcas você é endorser?

Sou endorser com orgulho da MCHDrums, das incríveis caixas que mencionei na pergunta acima, e os microfones Soundhoops, que é uma empresa alemã maravilhosa que faz microfones de alta qualidade para bateria.

E a professora Eleni Nota? Você ensina bateria? Pode falar um pouco sobre isso?

Sim, eu ensino bateria há 3 anos! A maioria dos meus alunos são crianças e eu adoro isso. Compartilhar minha paixão com esses pequenos humanos é mágico e isso me lembra a razão pela qual comecei a tocar bateria em primeiro lugar, que é por diversão. Adoro quando vejo crianças de 7 ou 10 anos tocando Metallica, Scorpions, The White Stripes e Lenny Kravitz. E o mais importante é que metade dos meus alunos são meninas e estão arrasando!

O que você sabe sobre o Rock feito no Brasil?

Pelo que tenho visto e escutado, a cena brasileira de Rock e Metal está prosperando. Existe uma grande quantidade de bandas e artistas talentosos que fazem deste país uma das maiores forças da cena Metal mundial. Além da Nervosa, obviamente, as bandas brasileiras que eu amo são Angra, Shaman, Sarcofago, Krisiun e, mais importante, Sepultura!

Vamos falar sobre uma questão mundial? Como está a situação na Grécia, com o COVID-19?

A questão do Covid-19 é provavelmente o maior evento histórico deste século, já que quase todos os cantos do mundo estão enormemente afetados. A Grécia é um dos países mais afortunados da Europa em relação a este problema. Em março, enquanto os casos do vírus eram bastante baixos, entramos em lockdown por mais de um mês. Essa privação temporária de nossa liberdade e o inevitável declínio de uma economia já fraca afetaram tremendamente a saúde mental e a forma de vida da maioria dos cidadãos gregos. Mas foi um preço baixo a pagar, porque os casos aumentaram muito lentamente e o número de mortos permaneceu baixo. Há uma semana, saímos de nossas casas após quase 2 meses de confinamento obrigatório. Ainda não voltamos ao normal e estamos longe de ficar livres de vírus, mas estamos melhorando dia a dia. Meu coração está voltado para o povo da Itália, Espanha e Brasil, onde Mia, Diva e Prika vivem, e, claro, para o resto dos países amplamente afetados que ainda estão travando essa batalha devastadora!

Com tantos shows cancelados, você acredita que os shows possam retornar novamente ainda em 2020?

Sinceramente, não faço ideia! Acredito que shows ao vivo e grandes eventos em geral serão os últimos a começar a acontecer novamente devido à enorme quantidade de pessoas que eles se reúnem. Eu realmente sinto falta de tocar ao vivo, então desejo que possamos fazer shows ao vivo antes do final de 2020, mas apenas quando for seguro para o público. A saúde e a segurança das pessoas devem sempre ser a prioridade número um!

Desejamos à você todo sucesso no mundo, agora como baterista da Nervosa! Deixe uma mensagem para os seus fãs e leitores da Revista Freak:

Obrigada Revista Freak, pelo seu tempo e por esta maravilhosa entrevista! Desejo à todos o melhor! Leitores e fãs, por favor, permaneçam incríveis, fortes e seguros durante esta situação difícil. Eu desejo que possamos tocar ao vivo e dar nosso melhor para todos vocês muito em breve! Até então, ouça a música que você adora e ama a si mesmo e às pessoas ao seu redor!

\m/ Long Live Rock! \m/

Tags , , , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Deixe uma resposta