Elize Ryd fala sobre o estilo escolhido pela banda Amaranthe

A United Rock Nations da França recentemente conduziu uma entrevista com a vocalista Elize Ryd, da banda sueca Amaranthe, na qual, entre alguns assuntos, ela fala sobre o estilo musical seguido pelo grupo.

Ao ser perguntada se ela acha que Amaranthe criou um novo estilo de Metal combinando Dance, Techno e elementos tradicionais de Metal, ela respondeu:

“Eu tenho essa impressão. Essa é uma combinação de música que eu sempre amei e ser capaz de criar isso em um pacote só é incrível. Quer dizer, nós queríamos fazer isso de qualquer maneira, mas não sabíamos que isso seria muito apreciado. Por exemplo, eu adoro ouvir Euro Disco. Eu adorava E-Type, por exemplo, e Basic Element, como aquela música extrema, que realmente me fez enérgica e entusiasta. Então meu pai ouvia Metal e meu irmão cantava em gutural no underground de Gotemburgo, então isso me inspirou muito. Isso me inspirou no fato de que era natural para mim escutar Metal. Era meio que puro. Eu achava que as pessoas do Metal eram muito mais legais e muito mais engraçados do que o normal [pessoas], tipo, eles podiam se expressar de uma forma que fosse permitida, por isso meu pai também se tornou fã do Metal. Tudo bem ser tão expressivo sobre você e não tão [reservado].”

Sobre novo álbum de estúdio da banda, “Helix”:

“O fato é que ficamos muito inspirados para trazer o riffing pesado porque o Olof [Mörck] é obviamente um grande guitarrista. Também o Morten [Løwe Sørensen], eu queria que ele tocasse a bateria técnica que ele pudesse e também Olof, então nós estávamos nos focando em dar aos instrumentais mais espaço nesse álbum porque no anterior, era algum tipo de experimento entre dois álbuns. Talve tenha sido que, toando as músicas não fosse tão difícil para o Morten, mesmo que ele ame. Para ele, realmente mostrar sua capacidade de ser um baterista, então é bom saber que espero que as pessoas que ouvirem este álbum se inspirem a começar a pegar seus instrumentos e realmente praticar.”

Elize também foi perguntada sobre se “Helix” é um álbum mais pesado que seus antecessores:

Elize: “É muito mais pesado. Eu também senti falta disso quando se trata de composição porque nós tiramos muito do álbum ‘Maximalism’. Nós poderíamos aliviar essa parte de nós mesmos, então agora eu senti que é realmente muito legal ser mais agressivo para ter esse backup da música e não posso esperar para sair em turnê com este álbum. Vai ser muito divertido ver onde ele nos leva ao vivo”.

Ela diz que é verdade que o novo álbum foi gravado em apenas dois meses:

“Isso é realmente verdade, sim. É verdade também que escrevemos o álbum em dois meses, depois fomos para o estúdio, depois gravamos por dois meses, acho que dois e meio. É muito rápido. Já sabíamos em junho de 2017 que nós estávamos indo gravar o álbum em março de 2018. Então, nós tivemos muitas turnês, eu fiquei muito doente e todo mundo estava cansado e exausto, então não havia nada acontecendo nas composições até janeiro porque nós não tínhamos espaço para isso. Quando conseguimos encontrar espaço, eu precisava me recuperar porque estava doente havia três meses. Não era hora para isso. Então decidimos. Eu só sabia que precisava descansar um pouco.” Pouco depois eu estava de volta e decidimos: ‘Ok, em janeiro eu vou estar de volta e saudável novamente, bem descansada, então vamos começar a trabalhar no álbum.’ Então nós fizemos isso, e nós escrevemos duas músicas em uma semana para podermos fazer quando a gravação começou no estúdio. Nós terminamos quase tudo, exceto algumas partes nas letras. Não foi estressante, mas foi um processo muito criativo, na verdade, eu gostei de saber que não tenho tempo para pensar muito, gosto de ir direto ao ponto, não gosto de analisá-lo por meses, era bom podermos fazer isso [na hora certa].”

\m/ Long Live Rock! \m/

Be Sociable, Share!

Tags , , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*